Sábado, 08 de Agosto de 2020
86 99979-7842
Política PROMESSAS PARTE 1

Wellington Dias descumpre promessas de campanha em saúde e desenvolvimento econômico

O governador colocou completamente de lado as promessas apresentadas em seu plano de governo para a conquista do 4° mandato

16/07/2020 09h25
334
Por: Redação
Wellington: muitas promessas e quase nenhuma realização (Foto/Reprodução)
Wellington: muitas promessas e quase nenhuma realização (Foto/Reprodução)

Em 2018, o bancário aposentado Wellington Dias (PT) foi eleito para seu quarto mandato como governador do Piauí, um dos Estados mais pobres da Federação e que sob suas gestões tem ficado ainda mais pobres. Esta é a primeira de uma série de reportagens que faremos sobre promessas de campanha do atual governador. Entre as promessas apresentadas, garantia de um ambiente favorável ao crescimento dos negócios e a uma maior oferta de empregos.

Ele também prometia melhorar a questão da saúde pública, especialmente para mulheres e crianças. Um levantamento realizado pela nossa reportagem junto ao Plano de Governo apresentado há dois anos demonstra que praticamente nada do que se prometeu foi colocado em prática até agora.

Considere-se ainda que são promessas repetidas ao longo de quatro campanhas eleitorais e, consequentemente, de quatro gestões administrativas. A começar pelo setor primário, principal base da economia piauiense, o governador/candidato prometeu em 2018 que iria garantir serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) para a agricultura familiar, a partir da reestruturação do Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Piauí (EMATER) e do estabelecimento de parcerias com empresas de assistência técnica. 

Está em débito com a medida. O Emater se encontra completamente sucateado, segundo servidores do órgão. 

O governador também prometeu ampliar as oportunidades de trabalho e de geração de renda, mediante incentivo ao empreendedorismo e a economia solidária. O Piauí acaba de descer três degraus no tocante ao Ranking de Desenvolvimento dos Estados.

Um dos itens é exatamente a sustentabilidade social gerada por uma maior oferta de emprego e de renda e fortalecimento das empresas e das iniciativas de empreendedorismo.

Dias também falou que iria fomentar o acesso ao crédito nos territórios de desenvolvimento, a partir da constituição de parcerias entre instituições financeiras e Bancos Comunitários de Desenvolvimento. Não se tem conhecimento de nenhum banco comunitário em funcionamento em qualquer dos chamados territórios de desenvolvimento do Estado.

Ele disse ainda que iria elaborar e implementar plano de qualificação e organização de empreendedores, voltado para as necessidades do mercado. Nunca a educação pública piauiense passou por tantas dificuldades.

Nem mesmo o sistema formal bancado pela Secretaria de Estado da Educação está em funcionamento. Os professores estão em greve desde fevereiro reclamando direitos e conquistas. O governador sequer os recebe para um diálogo.

Com auxiliares e jornalistas posando para matéria no canteiro de obra do Hospital Materno-Infantil que deveria estar funcionando desde janeiro de 2016

CARGA TRIBUTÁRIA

O governador prometeu que iria diminuir a carga tributária, "fortalecendo os micro, pequenos e médios empreendimentos, mediante a criação de programa estadual de estímulo ao empreendedorismo. O Plano de Governo, nesse ponto, também é uma peça de ficção.

O Piauí tem a maior carga tributária do país, com valores a mais em média na ordem de 30% sobre energia, combustíveis e imposto sobre circulação de mercadorias e de serviços. Foi apresentada também a promessa de que o Governo do Estado entre 2019/2022 iria potencializar o turismo através da melhoria da infraestrutura dos polos turísticos do estado.

As cidades turísticas reclamam investimentos da parte do Governo. Faltam estradas, abastecimento de água e toda a infraestrutura de serviços necessária para o correto funcionamento da atividade turística no Estado. No litoral, por exemplo, é costume faltar energia elétrica e água em períodos de alta estação.

Mas as promessas de Wellington Dias não param por aqui. Ele prometeu também que iria consolidar a bacia leiteira do Estado com o estabelecimento de parcerias entre produtores e indústrias de beneficiamento e processo de leite e derivados. O setor reclama da falta de apoio do Governo.

Os produtores de leite do Piauí estão preocupados justamente com o aumento da energia elétrica que eleva os custos de produção. Aumento atribuído pelo próprio Executivo estadual.

Vai adiante o plano apresentado por Wellington aos piauienses em 2018. Ele afirmou que seria criado um Parque Científico e Tecnológico do Piauí com laboratórios de inovação, Startups e incubadoras sustentáveis. Nada disso foi realizado até o momento. E não existe nem mesmo informação de que algo embrionário neste sentido tenha sido realizado.

SAÚDE TAMBÉM NEGLIGENCIADA

Um dos setores mais importantes de qualquer Governo deveria ser a saúde. No Piauí, é o contrário. O setor é quase que totalmente negligenciado. E tem servido apenas para eleição de elementos políticos ligados ao governador.

Uns se elegem prefeitos, outros deputados e outros ainda para a câmara federal. Enquanto isso, a saúde amarga um quadro de pesadelo permanente. O governador disse que iria ampliar os serviços especializados nos municípios de Parnaíba, Teresina, Floriano, Campo Maior, Picos, São Raimundo Nonato e Bom Jesus.

O Governo não garante nem o básico. Servidores reclamam de atraso em seus salários desde março. São pelo menos quatro meses, de forma continuada, sem receber proventos. E estão impedidos por determinação judicial de reclamar direitos na forma de greve.

O atendimento materno/infantil seria outra grande contribuição do atual Governo para o desenvolvimento do estado. Mas nada aconteceu. Seria a promessa de ampliar e fortalecer os serviços de atendimento à saúde materno/infantil no estado.

O governo do estado não consegue nem mesmo realizar a obra do hospital materno/infantil de Teresina para a qual já recebeu recursos de R$ 21,6 milhões e dotação complementar de R$ 16,9 milhões, num total de quase R$ 70 milhões já destinados pelo Ministério da Saúde para esta obra. O hospital já deveria estar funcionando desde janeiro de 2016. E nada.

Sem contar a situação da Maternidade Evangelina Rosa, onde é altíssima taxa de mortalidade. São cerca de 200 crianças natimortas por ano. Muitas mães também perdem a vida naquele local. Já houve até rebelião de médicos e demais servidores por conta das precárias condições do lugar.

Há mais promessa não cumprida neste segmento. O chefe do executivo estadual disse que iria estabelecer pacto para qualificar a atenção à mulher e a criança, reduzir a Mortalidade Materna, Infantil e Fetal em regime de colaboração com os 224 municípios do estado.

Não fez nada disso. E disse também que mpliaria a assistência ao pré-natal de alto risco nas Maternidades de Picos, Floriano, Piripiri, Bom Jesus, São João do Piauí e São Raimundo Nonato com vistas a qualificar a atenção à saúde.

O espaço da matéria está aberto para manifestação do governo piauiense, caso assim julgar necessário, para apresentar sua versão dos fatos. (Toni Rodrigues)

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Teresina - PI
Atualizado às 12h08 - Fonte: Climatempo
31°
Alguma nebulosidade

Mín. 21° Máx. 35°

31° Sensação
19 km/h Vento
38% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (09/08)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 36°

Sol com algumas nuvens
Segunda (10/08)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 36°

Sol com algumas nuvens
Ele1 - Criar site de notícias