PROTESTOS

Mourão diz que não tem clima para golpe no Brasil

Afirmação do vice pode ter sido resposta a mensagem de Celso de Melo sobre possível golpe de Bolsonaro

01/06/2020 07h38
Por: Redação
21
Confrontos entre PM e manifestantes (Foto/UOL) na Avenida Paulista
Confrontos entre PM e manifestantes (Foto/UOL) na Avenida Paulista

SEM ESPAÇO PARA GOLPE — O vice-presidente Hamilton Mourão declarou neste domingo (31) que não existe clima para golpe militar no Brasil neste momento. Segundo ele, a democracia está funcionando a todo vapor e o governo é democrático. Sem qualquer exagero, disse ele, a democracia brasileira avançou e se consolidou. Nenhum político teria condições de dar golpe e esse tipo de atitude não garante permanência no poder. "A ruptura democrática está fora de cogitação."

RESPOSTA A CELSO DE MELLO — A afirmação de Mourão provavelmente foi uma resposta a mensagem do ministro Celso de Mello. Em correspondência aos seus pares ele disse que o Brasil vive um momento preocupante e que existem sinais claros de que o presidente da República pretende aplicar um golpe contra a democracia. Ele esclareceu que a mensagem foi uma manifestação pessoal e que nada têm a ver com sua atuação no STF. O Supremo e o ministro foram principais alvos de protesto no dia 31/05.

ENFRENTAMENTO DE MANIFESTANTES — Neste domingo houve manifestações em favor do presidente Jair Bolsonaro e também contra ele em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte (MG) e algumas outras capitais. Na capital federal, o presidente participou das manifestações montado a cavalo. Ele disse que a população tem o direito de protestar. Não existe qualquer restrição ao direito de manifestação. Houve confrontos entre manifestantes. Em alguns casos, a polícia precisou intervir.

POLÍCIA MILITAR TEVE QUE INTERVIR — De acordo com informações da imprensa nacional, os confrontos ocorreram na avenida Paulista e no bairro carioca de Copacabana, com a intervenção direta da Polícia Militar, marcaram o acirramento da polarização política e o aumento da hostilidade entre os dois grupos. Os atos foram em favor do governo. Mas também contra o STF (Supremo Tribunal Federal). 

BANDEIRAS NEONAZISTAS — Em São Paulo, a Polícia Militar utilizou a Tropa de Choque e bombas de gás lacrimogêneo para dispersar manifestantes contrários a Bolsonaro. Nos protestos havia bandeiras neonazistas. Políticos ligados ao presidente disseram que esse tipo de bandeira foi inserida por elementos que tentam a todo custo associar o presidente a esse tipo de situação. Houve prisões e a PM/SP disse ter filmado tudo e todo o material será encaminhado ao Ministério Público para análise e possível oferecimento de denúncia.

OAB E GAVIÕES DA FIEL — Elementos ligados ao PT parabenizar o grupo Gaviões da Fiel que foi as ruas de São Paulo defender o isolamento social e protestar contra o presidente Bolsonaro e o que eles chamam de escalada autoritária. No Piauí, o deputado Fábio Novo parabenizou os corintianos e disse que "somos 70%". O grupo é ligado principalmente ao PT do presidente Lula. Houve manifestações no Rio de Janeiro, ainda, contra a morte do menino João Pedro, que teria sido morto pela polícia. A OAB disse que houve excessos da polícia contra os manifestantes. (TR)

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias